topo
Aspectos clínicos

Aspectos clínicos

Embora na maioria das vezes as pessoas infectadas não apresentem quaisquer manifestações clínicas ou apresentem um quadro clínico autolimitado, em uma parcela da população, a infecção pode provocar uma enfermidade grave, por vezes fatal, o dengue hemorrágico/síndrome de choque do dengue (FHD/SCD). Quando o paciente é infectado pela primeira vez, diz-se que o mesmo tem uma infecção primária; quando infectado pela segunda vez, denomina-se infecção secundária.

Infecção e doença

A infecção pelos vírus dengue pode ser assintomática ou sintomática. O período de incubação costuma ser de quatro a sete dias, embora possa variar de dois até 15 dias. O espectro clínico das infecções sintomáticas pode variar desde uma enfermidade febril indiferenciada até a síndrome de choque do dengue.

Infecções assintomáticas/oligossintomáticas

O percentual de infecções assintomáticas está relacionado a fatores ambientais, individuais, do vetor e do próprio vírus. O percentual de infecções assintomáticas / oligossintomáticas pode variar de 29% a aproximadamente 56%.

A ocorrência de uma enfermidade febril inespecífica de curta duração, acompanhada de faringite, rinite e tosse branda, é mais freqüentemente observada em lactentes e pré-escolares. Por vezes, esse quadro febril pode ser acompanhado de uma erupção maculopapular, o que dificulta o seu diagnóstico exclusivamente em bases clínicas.

Dengue clássica

Caracteristicamente, a enfermidade manifesta-se com febre de início súbito, cefaléia, dor retroorbital, mialgias, artralgias, astenia e prostração. Manifestações gastrintestinais, como náuseas, vômitos e diarréias, podem ocorrer, assim como linfadenopatias. A febre persiste, em média, por cinco a sete dias.

O quadro clínico na criança, na maioria das vezes, apresenta-se como uma síndrome febril com sinais e sintomas inespecíficos, como apatia ou sonolência, recusa da alimentação, vômitos, diarréia ou fezes amolecidas. Nos menores de dois anos de idade, os sintomas cefaléia, mialgias e artralgias podem manifestar-se por choro persistente, adinamia, irritabilidade, geralmente com ausência de manifestações respiratórias, podendo confundir-se com outros quadros infecciosos febris próprios dessa faixa etária.

Enxantema maculopapular ou morbiliforme pode aparecer tanto nas primeiras 24 horas do período febril, quanto no período de defervescência, ou mesmo imediatamente após o desaparecimento deste; após a remissão do exantema, pode surgir prurido palmoplantar.

Paralelamente à diminuição da febre podem aparecer petéquias nos membros inferiores e, menos freqüentemente, nas axilas, punhos, dedos e palato.

Em 5% a 30% (cinco a trinta por cento) dos casos podem ocorrer manifestações hemorrágicas, principalmente gengivorragia, petéquias, epistaxe ou metrorragia e, mais raramente, hematêmese e hematúria, tornando importante a diferenciação desses casos de dengue clássico com complicações hemorrágicas daqueles casos de FHD. Não podemos esquecer que, na criança, o quadro clínico de dengue com manifestações hemorrágicas, como a hematêmese e a melena, pode passar despercebido.

Em crianças, as formas graves surgem geralmente em torno do terceiro dia de doença, acompanhadas ou não de defervescência da febre. Na criança menor de cinco anos, o início da doença pode passar despercebido e o quadro grave ser identificado como a primeira manifestação clínica. O agravamento costuma ser súbito, diferentemente do agravamento do adulto que ocorre de forma gradual.

Os sinais de alerta e o agravamento do quadro costumam ocorrer na fase de remissão da febre. Nas crianças menores de dois anos de idade, especialmente as menores de seis meses, cefaléia, mialgias e artralgias podem manifestar-se por choro persistente, adinamia e irritabilidade, geralmente com ausência de manifestações respiratórias, podendo ser confundidas com outros quadros infecciosos febris próprios dessa faixa etária.

A convalescença pode ser prolongada por até dois meses, com astenia, depressão e bradicardia, retardando a retomada das atividades cotidianas do paciente. A persistência de sintomas articulares não costuma estar associada ao dengue e sugere outras etiologias virais, tais como alfavírus.

Febre Hemorrágica da Dengue/Síndrome de Choque do Dengue [FHD/SCD]

O FHD apresenta-se com uma febre de início súbito, que é acompanhada de uma variedade de sinais e sintomas, similares àqueles do dengue clássico, podendo durar de dois a sete dias. Os casos “típicos” de FHD/SCD apresentam quatro manifestações clínicas principais: febre alta, fenômenos hemorrágicos e, freqüentemente, hepatomegalia e insuficiência circulatória.

As manifestações hemorrágicas mais freqüentes são as petéquias observadas na prova do laço positiva, os hematomas e os sangramentos nos locais de punção venosa. Petéquias podem ser vistas nas extremidades, face e axilas. Epistaxes e gengivorragias são comuns, mas os sangramentos gastrointestinais volumosos são mais raros. Hepatomegalia dolorosa, de tamanho variável, pode surgir no início da fase febril.

A lise febril pode ser acompanhada de suores profusos e mudanças na pulsação e na pressão sangüínea, além de extremidades frias e pele congestionada. Estas alterações são reflexos da fuga de plasma para o espaço extravascular.

Na SCD, após uma primeira fase com febre, mal-estar, vômitos, cefaléia, anorexia etc., entre o terceiro e o sétimo dia de doença, pode surgir uma segunda fase, com o paciente apresentando pele fria, manchada e congestionada, pulso rápido e cianose perioral. As dores abdominais são freqüentemente referidas antes do início do choque que, se profundo, torna a pressão sangüínea e o pulso imperceptíveis.

O paciente pode recuperar-se rapidamente após terapia antichoque apropriada. No entanto, o choque não-tratado adequadamente pode evoluir com acidose metabólica e graves sangramentos gastrintestinais e em outros órgãos, podendo o paciente evoluir para o óbito em 12 a 24 horas. Geralmente, a convalescença dos pacientes com DH, com ou sem choque, é de curta duração e sem maiores problemas.

Etiopatogenia da FHD/SCD

A FHD/SCD é caracterizada pela saída de fluidos e proteínas, predominantemente albumina, do leito vascular para espaços intersticiais e cavidades serosas. Esse fenômeno resulta na diminuição do volume plasmático, gerando hipovolemia, hipotensão arterial e choque, o qual, se não tratado adequadamente, poderá levar o paciente ao óbito. Esse evento costuma ser rápido e parece ser mediado por alterações na permeabilidade do endotélio, resultante da perda das junções celulares.

A ativação do complemento, a ação do próprio vírus, as alterações nas células endoteliais, a ativação do sistema de coagulação sangüínea e a produção de anticorpos antiplaquetários são mecanismos indutores da trombocitopenia, separadamente ou em combinação. Com o fim do estímulo imunológico que provocou o aumento da permeabilidade vascular e o conseqüente extravasamento plasmático, observa-se elevação da pressão venosa central, que pode provocar hipervolemia e insuficiência cardíaca congestiva. Durante esse período deve-se ter cautela quanto à administração de fluidos parenterais, evitando-se dessa forma uma conduta iatrogênica.

Para explicar a origem das alterações que levam ao surgimento da FHD/SCD, foram elaboradas diversas hipóteses, a mais conhecida delas é a chamada “teoria da infecção seqüencial”.

A infecção por dengue provoca imunidade permanente contra o sorotipo infectante (homóloga) e imunidade transitória contra os demais tipos do vírus (heteróloga), que dura de dois a três meses.

Segundo a teoria da infecção seqüencial, a etiopatogenia do FHD/SCD está centrada na presença de anticorpos heterólogos antidengue da classe IgG, adquiridos ativa ou passivamente (através da placenta), existentes em concentrações subneutralizantes e que formam complexos imunes com os vírus; estes complexos imunes, uma vez ligados aos fagócitos mononucleares, são rapidamente internalizados, resultando em infecção celular seguida de replicação viral. Isto significa, em outras palavras, que os anticorpos em concentrações subneutralizantes impedem a reinfecção pelo mesmo sorotipo que estimulou a sua produção e, paradoxalmente, facilitam a infecção por outros sorotipos.

Durante a segunda infecção pelo vírus dengue haveria intensa produção de mediadores químicos, liberados pelos fagócitos mononucleares que estavam infectados e que foram lisados pelos linfócitos T CD4+ e linfócitos T CD8+; os mediadores liberados induziriam a perda de plasma e as manifestações hemorrágicas.

O papel decisivo do fenômeno de imunoamplificação da infecção através de anticorpos, durante uma infecção secundária, desencadeando uma reação em cascata, não é uma formulação consensual, até porque FHD/SCD tem sido relatado em casos de infecção primária.

Durante a epidemia de FHD/SCD em Cuba, em 1981, foi formulada a hipótese integral, segundo a qual a ocorrência de uma epidemia de FHD/SCD dependeria da conjunção de fatores individuais, epidemiológicos e do próprio vírus. Entre os fatores individuais de risco estariam o sexo feminino, idade menor que 15 anos, enfermidades crônicas como diabetes e asma brônquica, antígenos HLA, pré-existência de anticorpos para dengue e a resposta individual do hospedeiro. Já os fatores epidemiológicos seriam alta densidade do vetor, população susceptível, infecção seqüencial, sobretudo quando a segunda infecção ocorre em um intervalo de até cinco anos após a primeira, seqüência dos vírus infectantes (DEN-1 seguido pelo DEN-2) e circulação dos vírus em grande intensidade. Por fim, os fatores relacionados com o próprio vírus, ou seja, a virulência da cepa infectante e o sorotipo.

No Brasil, foram desenvolvidos diversos estudos visando identificar a participação de asma brônquica, colagenoses, diabetes mellitus, hipertensão arterial e uso de antiinflamatórios nãohormonais como possíveis fatores de risco para o desenvolvimento de FHD/SCD. A alta freqüência de relatos dessas enfermidades entre os pacientes que desenvolveram FHD nas epidemias estudadas justifica sua minuciosa investigação quando do atendimento daqueles casos, enquadrando-os como um grupo mais susceptível a desenvolver formas graves da doença.

Apresentações clínicas incomuns

Em freqüência cada vez maior, têm sido registrados casos de comprometimento do sistema nervoso central, comprometimento hepático, esplênico e miocardiopatia.

O acometimento de SNC pode acontecer durante a infecção aguda ou como uma manifestação pós-infecciosa, que parece ser a mais freqüente. Na vigência de um quadro agudo de dengue, devemos pensar em acometimento do SNC diante de casos cursando com cefaléia intensa, vômitos, convulsão / delírio, insônia, inquietação, irritabilidade e depressão, acompanhados ou não de meningismo discreto sem alteração da consciência ou deficiência neurológica focal, depressão sensorial e desordens comportamentais.

Deve-se aventar a hipótese de envolvimento dos vírus dengue diante de pacientes com síndrome de Guillain-Barré (polirradiculoneuropatia aguda), meningoencefalomielite e mononeuropatias que tiveram diagnóstico de dengue dias ou semanas atrás; também têm sido descritos casos de paralisia de Bell, neurite óptica, dificuldade de deambulação, disfunção sexual, retenção ou mesmo incontinência urinária.

Acredita-se que o comprometimento do SNC seja mais conseqüência de reações imunológicas do que do envolvimento direto do vírus no tecido nervoso, ou seja, uma reação provocada pela infecção viral por dengue com subseqüente inflamação perivascular, que poderia acarretar edema cerebral, congestão vascular, hemorragias focais, infiltrados linfocitários perivasculares, focos de desmielinização perivenosa e formação de imunocomplexos.

Fonte: “Dengue: Decifra-me ou Devoro-te”: Texto do livreto: Aspectos Clínicos. Texto na íntegra.

MOBILIZAÇÃO

Em água limpa e parada, o mosquito da dengue se desenvolve entre 7 e 10 dias. Rápido, né? Mas isso também significa que esse tempo cabe dentro da sua semana. Então, que tal reservar o sábado para combater esse mosquito que, além de dengue, agora transmite chikungunya e zika? Elimine os focos do mosquito da sua casa. Se o mosquito da dengue pode matar, ele não pode nascer!

sabado-na-faixatelhadolixeiragarrafascaixasdagua

rodape